Dia Mundial da Obesidade: cuidados com a saúde bucal podem reduzir carga de bactérias comuns em pessoas obesas

Neste 4 de março – Dia Mundial da Obesidade –, o Sistema Conselhos de Odontologia reforça a importância de intensificar os cuidados com a saúde bucal, principalmente neste momento pandêmico. Consistente literatura científica associa o excesso de peso ao surgimento de problemas bucais, a exemplo da periodontite, que é a inflamação nas gengivas, ossos e ligamentos que dão sustentação aos dentes. Caso o tratamento necessário não seja realizado pelo Cirurgião-Dentista, essa inflamação pode evoluir e causar, inclusive, perda dos dentes.

Pessoas obesas são mais suscetíveis a diversos problemas de saúde, o que inclui a saúde bucal, em decorrência da imunidade mais baixa. A má higiene bucal ligada à periodontite e covid-19 tem grande impacto nas infecções respiratórias geradas pelo vírus. Pesquisa publicada no Jornal da Associação Dentária da Califórnia reitera que a defesa contra a inflamação de doenças gengivais pode potencialmente proteger os pacientes contaminados contra complicações respiratórias. Segundo o estudo, as bactérias presentes nas gengivas apresentam risco 22 vezes maior dessa complicação ocorrer.

A preocupação dos Conselhos de Odontologia tem como base os dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). O levantamento revela que, no Brasil, 60,3% dos adultos apresenta excesso de peso, o equivalente a 96 milhões de pessoas, com maior prevalece do público feminino, 62,6%. O excesso de peso tem afetado, ainda, os mais jovens: crianças menores de 5 anos e crianças entre 5 e 9 anos. Entre os adolescentes, 28% apresentavam excesso de peso e 9,7% obesidade.

O Presidente do CFO, Juliano do Vale, evidencia o papel do Cirurgião-Dentista na prevenção de quadros agravados pelo vírus. “Esse profissional de saúde é capaz de diagnosticar e tratar as doenças gengivais, que possuem um componente inflamatório importante com potencial de causar uma série de outros problemas de saúde. Esses cuidados podem diminuir a carga de bactérias bucais, prevenindo impacto nas funções dos pulmões, o aumento do risco de pneumonia e possíveis complicações pulmonares potencialmente relacionadas à covid-19”, completou.

Segundo o professor de Cariologia e pesquisador da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas, o Doutor em Odontologia Marcos Britto Correa, quando se fala em combate à obesidade é preciso pensar na saúde bucal de forma ampla e integrada à saúde geral. “A obesidade é uma condição de caráter crônico, assim como as principais doenças bucais, sendo causadas por fatores comportamentais comuns, como a dieta rica em açúcares, consumo de álcool e tabaco e outros hábitos deletérios. Precisamos zelar pela adoção de comportamentos saudáveis para prevenir muito além das doenças bucais, como a cárie e a periodontite. Uma rotina saudável previne problemas bucais e uma gama doenças não transmissíveis (DNTs), como diabetes tipo 2, hipertensão, acidente vascular cerebral, doenças cardiovasculares e várias formas de câncer”, acrescentou.

A obesidade afeta pessoas de todas as idades e de todos os grupos sociais nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, alcançando 650 milhões de pessoas em todo o mundo.

Por Michelle Calazans e Camila Melo / Com informações do dentalis, amoodontologia e saudeoral, Ascom CFO.
imprensa@cfo.org.br

Compartilhar:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram
Share on twitter
Share on email

Contato