Live debate como a odontologia pode ajudar no dia a dia dos clubes de futebol

Com um número intenso de jogos em curto espaço de tempo, os clubes de futebol têm investido na prevenção de contusões para os seus jogadores. Além de repouso, exercícios direcionados e suplementos alimentares, a odontologia também tem contribuído para que o número de contusões seja menor. E pra falar sobre o tema, uma live acontece na próxima quarta – feira (3): “Como a odontologia no esporte forma atletas de alto rendimento”. Participam do bate – papo, que começa às 18:00, o responsável pelo departamento odontológico do Atlético Clube Goianiense, doutor Carlos Bandeira Júnior, e Gustavo Ferreira, que coordenada o mesmo setor no Flamengo.

“A live vai tratar como a odontologia do esporte faz com que o atleta tenha um rendimento altamente produtivo. Esse processo começo com uma pré participação, ou seja, assim que o atleta é contratado pelo clube, assim como faz check – up na área médica, nós também fazemos um check – up na área odontológica, traçando um plano de tratamento para ele, para evitar desde lesões na coluna cervical, toráxica, lombar, joelhos e também nos músculos. Primeiro a gente tem um diagnóstico do atleta para depois fazer as intervenções”, explicou Carlos Bandeira, que deu mais detalhes de como uma pré – avaliação diminui os riscos de contusões.

“Após a avaliação. Nós temos o trabalho preventivo e curativo. Em todas as lesões que apresentam pontos infecciosos, o atleta recebe um pronto – atendimento. Por exemplo, um canal mal feito, procuramos repara – los. Com relação aos dentes siso, que podem nascer durante o campeonato, já fazemos a remoção, caso o atleta tenha um problema na mordida, nós confeccionamos placas para evitar os efeitos dessa mordida incorreta, o que evita lesões musculares e articulares. A odontologia serve para evitar que o Atlético fique no departamento médico”.

De acordo com Carlos Bandeira, a odontologia no esporte começou na década de 1950 e evidências, desde então, mostram a sua eficácia.

“As evidências científicas apontam que o atleta que recebe o tratamento preventivo e curativo durante as avaliações antes dos campeonatos, é reduzido em 50% o aparecimento de lesões causadas por doenças bucais. Em 1950, teve seu início com o doutro Mário Trigo, naquela seleção que foi vice – campeã, e em 33 jogadores chegaram a extrair 118 dentes, que era o recurso para a época, e o índice de lesões foi muito menor”, revelou Carlos Bandeira, que fez questão de salientar que conta com o total apoio de todos no Atlético para o desenvolvimento do trabalho.

“O Atlético abraçou a ideia e conto com o apoio de todos no clube. É um projeto de verdadeira integração, com liberdade para trabalhar a odontologia de forma científica”, finalizou.

Texto: WENDELL PASQUTTO

Fonte: https://sagresonline.com.br/live-debate-como-a-odontologia-pode-ajudar-no-dia-a-dia-dos-clubes-de-futebol/

Compartilhar:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram
Share on twitter
Share on email

Contato