Da redução da sensibilidade nos dentes aos resultados na técnica de clareamento dentário.

O conceito do uso da luz em odontologia é amplo. Quando se fala em modulação do metabolismo celular, seja como indutor, estimulante ou inibidor, a laserterapia está inserida neste contexto. Na odontologia, a laserterapia pode beneficiar a reabilitação tecidual do paciente, pelo aprimoramento do metabolismo energético, que beneficia a diferenciação, a multiplicação e a migração celular. Há também efeito analgésico, controlando a dor. Essas características da interação da luz com o tecido biológico tornam o tratamento odontológico mais confortável e eficiente para o paciente, além de previsível para o profissional. A Odonto Nordeste conversou sobre o assunto com a Dra. Liciane Toledo Bello. Mestre em Lasers Odontológicos e Doutoranda em Biofotônica.

Odonto Nordeste – Quando o dentista pode utilizar?

Dra. Liciane Bello – O uso da luz pode ser inserido em absolutamente todas as intervenções odontológicas, porém o dentista precisa estar devidamente habilitado para utilizar a tecnologia baseado em evidências científicas que fundamentam e comprovam sua atuação. Já temos uma literatura bastante vasta para consagrar seu uso, e muitos grupos de pesquisa, do qual faço parte, que buscam arduamente por protocolos e tratamentos de excelência.

Odonto Nordeste – Quais os benefícios para os pacientes?

Dra. Liciane Bello – Quando um profissional trabalha adequadamente com as fontes de luz, os pacientes são beneficiados de forma integral. Quando irradiamos a luz em determinado tecido, teremos o efeito local, mas também o sistêmico. É possível alterar o metabolismo celular, desde o controle do estresse oxidativo, até a expressão gênica, trazendo um efeito benéfico em regeneração tecidual e proteção da carga genética, evitando inclusive o fator oncogenes.

Odonto Nordeste – Quais os tratamentos também adicionaram a laserterapia?

Dra. Liciane Bello – Podemos dizer que hoje podemos diagnosticar lesões (através da Fluorescência Óptica), podemos eliminar micro-organismos (através da Terapia Fotodinâmica), cortar e desinfectar tecidos (através do uso do LASER de Alta Intensidade) e fotobiomodular (através dos efeitos fotoquímicos em Baixa Intensidade ou Potência). O termo laserterapia acaba sendo usado erroneamente pelo fato que a terapia LASER compreende um universo maior chamado Biofotônica, que é o estudo do uso da luz na interação com os tecidos biológicos.

Odonto Nordeste – Existe contra indicação?

Dra. Liciane Bello – Na realidade existem condições e diagnósticos que ditam o uso correto para melhor atuação na afecção em questão. Vou citar o uso do laser para regenerar uma ulceração na cavidade bucal. O primeiro passo é diagnosticar adequadamente esta lesão, não só pelo seu aspecto local, mas como a condição sistêmica do paciente. Se for uma ulceração motivada por trauma, a ação do laser será precisa, mas se for leito de um Carcinoma Espinocelular o laser não deverá ser usado, porque o tratamento será cirúrgico e/ou radioterápico e/ou quimioterápico pela natureza da lesão.

Odonto Nordeste – Quais suas considerações a respeito do uso do laser?

Dra. Liciane Bello – Estou formada em Odontologia há 22 anos e desde então atuo com LASER. Tive oportunidades de estagiar na Europa e na Ásia, quando a tecnologia ainda tomava vulto no universo Odontológico, sempre participando de pesquisas ao longo desse tempo e me surpreendendo com as possibilidades que as luzes nos trazem quando o nosso objetivo é poder propiciar tratamentos mais humanizados e de excelência. Eu não saberia mais fazer odontologia sem a presença da tecnologia, porque as possibilidades e os resultados de efetividade são incomparáveis com a forma convencional, ainda mais quando se tem a possibilidade de agregar todas as técnicas disponíveis no nosso dia a dia de atuação clínica. Posso dizer que em minha experiência, trabalhando desde pacientes oncológicos, debilitados por doenças sistêmicas ou para os pacientes que queiram se submeter á biotecnologia de materiais voltada para a estética, é possível aprimorar resultados, reverter intercorrências, e acima de tudo, trata-los de forma humanizada e efetiva, em todo o contexto interventivo, abrindo novas possibilidades e mais motivação para exercer nossa profissão, que visa acima de tudo, propiciar “o melhor” para nossos pacientes.

CURIOSIDADES

O Laboratório Especial de Lasers em Odontologia (LELO) é um dos laboratórios em laser com reconhecimento mundial. Sua história na FOUSP se construiu em meio à pesquisa e a força de vontade de seu fundador, Prof. Dr. Carlos de Paula Eduardo, que estuda o uso de lasers em odontologia há quase 30 anos. Em seus 24 anos, o LELO acumula centenas de pesquisas científicas, auxiliando na formação de mais de 1000 profissionais que já passaram por seus cursos e na defesa de 165 dissertações no Mestrado Profissional e mais de 100 teses na pós-graduação da faculdade. Com o início dos estudos do laser no Brasil, muitos profissionais ainda se sentiam inseguros com o novo equipamento. Pouco se conhecia sobre seus efeitos em tecidos moles e as pesquisas ainda eram prematuras. Após anos de trabalho, o LELO se consolidou como uma das referências em laser no Brasil. Se tornou o berço de muitos profissionais que buscaram expandir seus conhecimentos sobre o tema.*

SOBRE A ESPECIALISTA

Liciane Toledo Bello

Mestre em Lasers Odontológicos

Doutoranda em Biofotônica

Diretora Clínica/Científica do Departamento de Odontologia do Instituto Neo Mama

*com informações do site da Faculdade de Odontologia da USP: www.fo.usp.br