UEL licencia tecnologia para produção de novas ferramentas de odontologia restauradora

A Universidade Estadual de Londrina (UEL) oficializou nesta sexta-feira (10) um contrato de licenciamento de tecnologia com a Indusbello Company para produção e comercialização de três réguas específicas para auxiliar cirurgiões dentistas no trabalho de recuperação de dentes. O contrato foi assinado por representantes da Universidade, da Fundação de Apoio (Fauel) e da empresa licenciada, na sede da Agência de Inovação Tecnológica (Aintec).

Este foi o quarto contrato de licenciamento de tecnologia formalizado pela UEL via Agência, o primeiro após a Política de Inovação de Ciência e Tecnologia, aprovada no último dia 3 de setembro.

As três ferramentas (Régua Milimetrada para Fotografia; Régua Milimetrada de Proporção Áurea e Régua Milimetrada de Proporção Individual) serão confeccionadas em acrílico, material que permite a desinfecção em autoclave, e foram desenvolvidas pelos professores Adriana de Oliveira Silva e Hebert Samuel Carafa Fabre, do Departamento Odontologia Restauradora, do Centro de Ciências da Saúde (CCS).

Os dois chegaram a esta tecnologia a partir da dificuldade do cálculo da proporção dos dentes e da boca dos pacientes utilizando as ferramentas existentes – régua de análise, paquímetro e compasso de ponta seca.

Segundo a professora Adriana, este instrumento exige que o cirurgião dentista faça medições e cálculos para conseguir a proporcionalidade, fundamental para obter um sorriso harmônico e equilibrado. As novas ferramentas permitem ter uma dimensão biométrica mais exata e precisa, dispensando cálculos matemáticos, facilitando o trabalho.

Segundo o reitor da UEL, Sérgio Carvalho, o repasse da tecnologia permitirá que mais um resultado de pesquisa chegue à sociedade, colaborando para um tratamento odontológico adequado. Ele comemorou a assinatura do primeiro contrato após a aprovação da recente Política de Inovação, que representa alternativa para a proteção da propriedade intelectual e possibilita a prestação de serviço técnico especializado ou extensão tecnológica, além de criar regras para uso e compartilhamento de infraestrutura e de recursos humanos.

“Estamos cumprindo nossa missão. A universidade resgata o propósito para o qual foi criada”, disse o reitor.

Para o diretor da Aintec, professor Edson Miura, a partir da aprovação da nova Política de Inovação de Ciência e Tecnologia, pesquisadores e empresas passam a contar com diretrizes e segurança jurídica para estabelecerem contratos e parcerias. “Entendo que esta é a melhor forma de levarmos nosso capital intelectual à sociedade”, afirmou o diretor, acrescentando que a universidade também ganha visibilidade e alternativas para novas fontes de fomento.

O diretor da Indusbello Company, Leonardo Rodrigues Beni, disse que o interesse da empresa se deu pelo fato de as réguas odontológicas serem simples. “São muito funcionais para o trabalho do cirurgião dentista na parte clínica e nos procedimentos estéticos”, destacou.

PATENTEADAS – As três ferramentas patenteadas (Régua Milimetrada para Fotografia; Régua Milimetrada de Proporção Áurea e Régua Milimetrada de Proporção Individual) permitem a verificação rápida do conjunto da boca do paciente, a análise da proporção e a medição individual de cada dente, respectivamente.

As réguas foram desenvolvidas durante um Programa de Formação Complementar direcionado a estudantes da disciplina de Odontologia Restauradora do curso de Odontologia da UEL, em 2019. Segundo os criadores, elas permitem ter uma dimensão biométrica mais exata e precisa.

“Tínhamos essa necessidade até porque cada vez mais os pacientes buscam a odontologia restauradora para ter um sorriso perfeito”, afirmou a professora Adriana. Ela explica que as três ferramentas foram produzidas a partir de estudos, comparações e uma boa dose de prática profissional. Ela diz que a Odontologia exige do profissional o gosto pelo artístico, pela busca da beleza, sobretudo se o cirurgião dentista trabalha com restauração.

A professora acrescenta que uma das inspirações para o desenvolvimento das três ferramentas estão na obra do professor José Mondelli, da Faculdade de Odontologia (USP) de Bauru (SP), pioneiro dos estudos de Estética e Dentística Operatória, autor de livros importantes sobre a área. O próprio professor desenvolveu uma régua de análise, que não foi patenteada, e é bastante utilizada pelos profissionais da área.

As três novas ferramentas desenvolvidas pelos professores da UEL oferecerem uma diretriz, uma técnica nova, simples e rápida para buscar uma proporção melhor na restauração dos dentes dos pacientes. Segundo os dois criadores, o conceito de belo é subjetivo. Para a Odontologia Restauradora interessa a proporção, buscar o melhor resultado estético.

 

FONTE: AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DO PARANÁ

Compartilhar:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram
Share on twitter
Share on email

Contato